24 de outubro de 2008

Switchin' sides

Hoje eu troquei de lado... Saí do que ficam as entrevistadas e fiquei no que ficam as entrevistadoras. Motivo para comemoração? Claro, é uma vitória pessoal muito significativa pra mim no âmbito profissional - porque no âmbito pessoal / emocional, vou dizer que é quase tão duro quanto sentar ali e ser entrevistada...

Quando eu e ela fomos ao show do Léo, conversávamos sobre entrevistas, procura de empregos e como se fica durante uma entrevista em si. Quando eu disse que meu problema era, na maioria das vezes, passar segurança e entendimento demais (dependendo do cargo que se almeje, isso é fatal, pois mostra que tu tá muito preparada e não vai se satisfazer com o que tão te oferecendo ali, ao menos não por muito tempo), ela sorriu e disse "é, você tem uma segurança impressionante mesmo!". Já não é a primeira nem a segunda pessoa a dizer isto de mim, e nem vou discordar ou tentar mostrar meus pontos fracos, não: eu sou segura pra caralho no que sei. Se eu disser pra alguém que sei fazer café melhor que a maioria das pessoas é porque sei mesmo (e meu café ruleia mesmo, como diria a Lekkerding). Agora, se me perguntarem quanto às minhas habilidades enquanto passadeira de roupa, digo logo que sou tão boa em passar roupas quanto essa mulher cantando "Without You" (Bridget, essa é inesquecível!). Sei o que faço bem e digo mesmo que faço bem, e se isso é segurança ao extremo, eu a tenho, sim.

Mas sentar do outro lado da mesa hoje me deu um ângulo até então inédito quanto às entrevistas: observar e computar os erros e acertos de cada candidata que avaliei. Sou muito metódica neste aspecto, não admito certas coisas e posturas numa entrevista, como falar mal abertamente do seu ex-empregador ou ir de sandália de dedo e descabelada numa entrevista com alguém da empresa que está procurando (e sabendo que a vaga exige, dentre outras coisas, boa apresentação). Me vi em alguns destes erros, em tempos passados ao menos, e também tive dó de algumas ali. É feio dizer isto? Não sei, mas tive dó, sim, pela vontade que estão de trabalhar, contrastante com a inaptidão evidente para conseguir o cargo com os requisitos que ele tem. Eu sei bem como é isto, há muito pouco deixei de estar do lado de lá. Emocionalmente, é meio perturbador...

Mas a minha dó ficou por aí, já que não posso arriscar contratar alguém que não satisfaça os pré-requisitos estabelecidos. E aí volta a Aline metódica, fria e calculista - a Aline profissional. Sou até piadista no trabalho, gente, acreditem! Mas só quando dá pra ser. Não admito um "bicho pegando freneticamente" mode ON e a bela na sala do cafezinho, rindo e brincando, enquanto me deve um relatório. Assim sendo, das várias pessoas que entrevistei, apenas UMA me agradou - mesmo assim, com ressalvas, mas vá lá, preenche o que eu preciso - e pedi mais selecionadas pra semana que vem.

Hoje sei onde errei nas minhas entrevistas que não vingaram - ao menos em quase todas, já que houve algumas que não ganhei simplesmente porque não eram pra ser, também sei disto. E vi que é muito mais difícil entrevistar e dispensar alguém do que eu poderia imaginar, porque vi nos rostos daquelas mulheres o quanto estavam ansiosas e precisando da vaga (uma delas não, tava tão desdenhosa que quase perguntei porquê estava ali. E não venham me dizer que era como eu, segura demais, porque nunca desdenhei de nenhuma vaga a qual me submeti) mesmo que não preenchessem todos os requisitos... Mas a lição é muito valiosa. Aliás, lições são boas, né? Sempre são.

8 comentários:

Homem do Cafezinho disse...

Moça, olha que assim vou lhe contratar para servir Cafés no Frapê, hein!!!!

O problema com a Polyana é que já me estrupiei muito por isso, mas tudo bem, Sou brasileiro e não desisto!! E pode deixar sim que eu não demoro muito pra voltar....vai depender de como meus sonhos e esperanças foram "arquitetadas" esse findi!!!

iara disse...

olha,
do lado de lá não estive, mas fazer consultoria deu um excelente knowhow em avaliar pequenas atitudes, desde uma frase solta até o visual (e não por casusa da moda)
tb sofri o mesmo que vc. superavaliação para alguns cargos, e o único que eu não consegui foi por falta do famoso QI, mas acho que se arrependeram depois...too late
mas tb acho desesperador e triste ver o quanto muitos precisam do emprego, do trabalho, mas não têm preparo para ele, T~em até vontade, mas a distância entre o que apresentam e o que se precisa é enorme.
concordo em tudo com vc


e vídeo de doc. brid foi looosho. morri.
bj

A Outra disse...

menina, a segurança tb foi um problema para mim nas entrevistas.
tb já estive dos dois lados. e olha que vi foi coisa mais que absurda.
vou fazer uma palestra voluntária amanha sobre isso: como se portar numa entrevista de emprego.
foi tanto erro que vi "universitários" cometendo que decidi que tinha que fazer alguma coisa. rsrs

bjs.

ainda nao sei que dia vou. se vou domingo ou segunda. só sei que dia 18 estou em SP.

Késia Maximiano disse...

As mil faces da entrevista... rsr
Bjs

Danielle Balata disse...

Passando para te desejar uma semana excelente criatura abençoada por Deus.

Beijos

Lekkerding. disse...

Atenção: Eu te odeio.
Estive no Rio por 3 dias e nada de nos vermos. Por causa de... BANHO!
Pifi.
Aguarde retaliações.

Bridget Jones disse...

Ai Aline, o texto está como sempre incrível, mas foi covardia vc lembrar da nossa amiga cantando "Ken Lee". Fiquei rindo, lógico...

PS: Vc não viu a Lekker? Não acredito!

BRID

Renata disse...

Eu sou péssima em entrevistas. Fico tão nervosa que gaguejo, não falo direito...horrível!
Mas sério, quem vai de sandália de dedo em uma entrevista não merece nem ser entrevistada...afe!