27 de abril de 2010

Para ficar

Confesso: tive que colocar The Verve nos ouvidos pra poder me inspirar a escrever alguma coisa menos menininha, menos sentimentalóide ou menos idiota, pra usar palavras mais coloquiais. Richard Dash tem a capacidade de me fazer fechar os olhos e viajar por lugares de céu azul quando canta que "I let the melody shine, let it cleanse my mind, I feel free now... But the airways are clean and there's nobody singing to me now" em Bittersweet Symphony, fazer o quê. Os céus azuis como gosto, com grama verde a cem metros de uma praia de areia branca e um mar gelado que dá cãibra, como eu gosto. Alguns acham que The Verve é sentimentalóide; eu acho libertador. É, eu sempre fui meio estranha mesmo.

A verdade é que eu estou de volta. Não, não fui, ao menos fisicamente, a lugar algum que não seja meu quarto ou a poucos eventos esparsos. Estive aqui, mas estive fora por quase um ano - mais até, quem sabe - e consegui voltar. Com a ajuda de Valeriana, uns quinze quilos de bagagem adiposa a mais, muitas lágrimas e algumas noites insones, eu encontrei o caminho de volta. Sim, continuo andando com minhas pernas e ouvindo Aerials no máximo volume no carro, de cabelos curtos e muito fashionable, falando mais alto e usando mais palavrões do que deveria, mas com uma lição daquelas que nos é dada com palmatória, vara de marmelo e ajoelhando no milho diariamente. Dessas, a gente nunca esquece. E não me venham com "foi um amor" porque de amor nada tem nessa estória. Ou história, já que marcou uma era e não será esquecida. Foi vida, trabalho, crescimento pessoal, tudo junto, mas nada a ver com sentimentos - ao menos não com os bons.

Voltei mais velha (e com tanta experiência que é capaz de criar rugas em homenagem ao quanto amadureci, mas estas eu dispenso, beijos!) e mais forte, o que é fundamental - bem, Vinícius dizia que a beleza o é, mas com isso nem me preocupo, a minha vai bem, obrigada. Voltei mais verborrágica, mais musical, menos paciente, mais inteligente, nostálgica e saudosa, doa a quem doer. Se bem que tudo isso doeria a alguns que não vão ler...

Voltei, porra.

4 comentários:

Lekkerding. disse...

Opa, então tá. Mostra aí a que veio - ou voltou.
E como diriam os reis da conveniência, we meet again after several years of separation.

Bia Fernandez disse...

Como diria Brid, sua volta foi cheia de Loosho e Esplendor.

E é o que pra hoje!

Beijos amore

Patrícia Magrinha (louca por uma boa forma) disse...

o fundo marrom e a letra vermelha não me deixa ler.

Diane Lorde disse...

Bacana você de volta! Gosto sempre de passar por aqui!