Uma história muito boba

"Tuas costas estão vermelhas, pára de coçar!", ele deu a ordem. Ela sorriu e arranhou mais forte, como uma criança fazendo pirraça pra chamar a atenção dos adultos, e ele acabou rindo dela e pulando em cima pra fazê-la parar - era tudo que ela queria e ele sabia, claro. Depois das risadas e da briga e ele conseguir imobilizá-la, ficaram se olhando por um tempo, sem dizer nada. Ela resolveu quebrar o silêncio com um convite: "Vamos pra praia logo, o dia tá lindo", e deu-lhe um beijo como quem pede licença pra ser libertada - não que o silêncio fosse ruim ou aquela prisão temporária a incomodasse, mas ela sabia o quanto ele gostava de praia e também queria se jogar no mar naquela tarde tão linda e quente.

Na praia eles pegaram um pouco de sol, leram livros, beberam cervejas e caíram no mar até ficarem com os dedos murchos. Juntos e separados. É claro que jogaram areia um no outro e acabaram parecendo duas crianças bobas, dentre outras diversões, já que não cresceriam nunca em certos aspectos, como prometeram ao se conhecerem. Depois de algumas horas sozinhos e juntos, viram o sol se pôr e voltaram pra casa, cantando e dançando - ela muito mais que ele, como sempre.

"Mas esse banho não acaba nunca, Meu Pai do Céu!" - foi ela quem gritou. Ele levava horas no banho sempre, mesmo quando estavam atrasados. "A gente vai perder a reserva, ô noiva!", ela gritou rindo, e ele já começava a ficar meio brabo, respondendo "já vou, já vou!", meio atravessado. Quando ele saiu do banheiro, ela, nua, tinha colocado uma toalha branca na cabeça como que um véu, segurava o arranjo de flores da mesa e andava como noiva. Ele gargalhou e o mau humor dele foi embora na mesma hora. Claro que perderam a reserva do restaurante - e não estavam nem aí - e acabaram comendo um cachorro quente numa barraquinha perto dali, achando uma delícia, horas depois.

Eram tão felizes juntos que chegava a chamar a atenção das pessoas na rua, pelos sorrisos abertos e olhares tão leves e brilhantes. Eram felizes porque se respeitavam e tinham noção do quanto eram dois e do quanto podiam ser um, na hora em que quisessem (ou precisassem, claro), se amavam sem cobrar nada além de respeito e carinho um do outro, de uma forma tão simples e quase infantil mesmo. Talvez fosse este o segredo dos dois. Fosse, porque acabou num belo dia de inverno, cheio de frio e chuva. Foram felizes enquanto estiveram juntos e, no dia em que viram que não seria mais assim, decidiram mudar a relação deles pra um nível no qual pudessem manter o respeito e o carinho que tinham um pelo outro, sem se machucarem à toa e sem estragarem tudo de bom que tinham vivido. Claro que doeu, claro que teve choro, claro que não foi fácil - mas era necessário e era o certo a ser feito. E eles fizeram.

São grandes amigos, se vêem de vez em quando e até se falam bastante. Ainda se amam, de alguma forma, mas sabem que não dá pra ser como era e não querem nada menos que o melhor um pro outro, por isso continuam como estão. Talvez um dia casem, um com o outro ou cada um com seu cada qual. Talvez um dia não se falem mais e sejam uma bela memória na cabeça um do outro, quem sabe. Sabe-se que sempre terão um no outro como algo bom, algo maravilhoso, isso é certeza.

História real? Não se sabe. Lenda? Talvez, até porque tudo que é bom demais deixa de ser História e vira lenda, porque o ser humano não consegue lidar com o fato de que algo seja tão bom e ele não tenha vivido ou presenciado - mesmo quando presencia, sempre põe defeito e duvida. Sonho? Ah, com certeza. De qualquer pessoa nesse mundo que entenda que não precisa ser eterno (ao menos não em termos temporais) pra ser perfeito e nem ser perfeito pra ser excelente. Seja o que for, é só mais uma história boba e cheia de clichês, contada por uma pessoa boba e meio clichê. Mas é uma estória.

Comentários

Lekkerding. disse…
É uma boa história. Esperemos que tenha um fim digno do começo. Que não seja nem pífio e nem infantil. Que seja bom pra todos, afinal. Que seja. Simplesmente.
A Outra disse…
ai ai... nem vou dizer de novo novamente mais uma vez de onde esse texto saiu... rsrsrsrs

bjsss
Danielle Balata disse…
Lenda ou história real? Não sei.. só sei que adorei lê.


Beijos
Taynar disse…
Tudo junto. Tudo separado. Tudo diferente. Tudo embolado.
Se é estoria, lenda, imaginação ou vida real, quem quer saber? A gente faz a direção, não é mesmo?
Beijos, mulher, fofocas pra contar ;)
História real, sim, infelizmente (ou felizmente) acaba. Acabou...

Um dia fui assim. Pelo menos restaram os bons momentos!!!

Como meu tio Aldo costuma dizer: "Ninguém vê os momentos ruins em fotos, mas são eles que te levam de uma foto sorrindo à outra!!"

Beijos moça!!
Ice Ice Baby disse…
boa! a gente fica aqui tentando adivinhar se é real ou não...

bjs chuchu
Fabio Fernandes disse…
Sair do chuveiro e se deparar com uma noiva de turbante de toalha, e buquê na mão não deixa nenhum mal humor de pé... :D Já fiz uma situação muito sensual (um jantar preparado por mim, à luz de velas, vinho e strip-tease. Mas quando ela viu que eu usava uma cueca samba-canção com várias pimentas desenhadas, quase teve um treco de tanto rir).

Não acho nem clichê, nem boba. Acho que é do cotidiano, e é invejável. Todos deveriam viver a lenda de um amor assim, para se tornar parte da história de cada um.. Sorte de alguns, azar de muitos..

Bjs.

Postagens mais visitadas deste blog

Conto adolescente

Feios e Belos

Revoltada, sim. E com razão.