Jogos mortais - ou como a gente se cansa à toa.

Eu demorei a voltar aqui, não? Pois é, eu estava por aí, jogando. Não, não fui pra Vegas, não fiquei milionária no Blackjack e nem encontrei um Hugh Jackman que tenha ficado e me amado numa noite de bebedeira, não - só estive no meu dia-a-dia, nos mesmos lugares onde aprendi (espero, espero!) que a vida da gente não passa de uma série de joguetes cansativos. Mas bem que um Hugh milionário não teria sido nada, nada mau, mesmo por uma noite (e eu nem reclamaria deste tipo de cansaço)...

Acontece que tudo na vida é jogo: você joga com o seu chefe porque sabe que ele se arrepende quando perde a razão contigo. Porque você até ri depois, mas faz cara feia só pra ele saber que não é assim que deve ser e pra ver ele sofrer um pouquinho. Você joga com a sua mãe quando quer que ela faça certa comida: diz que você está com tanta vontade que vai fazer amanhã, porque você sabe que ela não vai deixar e a comida que você queria vai estar pronta no seu jantar de amanhã, como você queria. Você joga com o seu amor: queria tanto gritar aos quatro ventos o quanto está apaixonada e entregue, mas faz a linha 'toma lá, dá cá': faça comigo que te mando passear na mesma hora e nem choro. Mentira, mas você precisa jogar assim pra ter o seu trunfo na mão.

Nada disso é novidade pra qualquer pessoa adulta, claro. Querem saber qual é a novidade? Eu conto: a gente perde um tempo precioso e um punhado bem grande de paciência é gasto nessa série de joguinhos infames e desinteressantes, o que resulta numa apatia mórbida pela vida em geral. Too complicated? Não acho, acho que qualquer um vai entender exatamente o que eu quis dizer aqui: a gente gasta bens preciosos demais com jogos que não trazem troféu algum. Porque ninguém vai me convencer que a cara de bunda do chefe, a comida gostosa da mamãe ou a insegurança do amor é um troféu digno de tanto suor e de tantas lágrimas choradas no escuro do quarto, no quente da cama. Muito melhor seria pedir colo pra mãe e a comida que você queria; melhor seria dizer ao chefe que não foi legal quando ele perdeu a razão, mesmo pra ele; infinitamente melhor é dizer o quanto se está apaixonado/a, mas que não pretende sofrer por isso se não for absolutamente necessário - como em caso de morte, por exemplo. Mas nem sempre o que é melhor é mais cômodo, é mais confortável: perder o orgulho e passar por cima da armadura nunca os é.

E assim vamos nós por aí: jogando, cansando, amargando, emburrescendo e jogando coisa fora. Fazer o quê, encarnação que vem a gente tenta de novo. Nesta, eu vou tentando mudar, mas acho difícil conseguir, viu. Anyway, tentar ainda é muito divertido.

Comentários

Day Pinheiro disse…
Meu pitaco! Adoooro essa leveza e consciência que leva a vida...até faz coisas loucas como todo mundo! O diferencial!? Sabe que é loucura! hahaha
A Outra disse…
esses joguinhos...
por isso as crianças são sinceras, não sabem jogar (ainda). nós ensinamos e estragamos os adultos.

bjss, flor, to com saudades!!!!
D.Marco disse…
Jogar é a única coisa que nos faz suportar essa mesmice diária.
Lind'Aline, imagine que porre seria uma vida cheia de certezas e sinceridade; cheia de mocinhos e sem bandidos, sem nenhuma ilusão, sem nada além da verdade?
Game Over!!!
Aline T.H. disse…
D. Marco, eu sou obrigada a discordar. Há limites, meu caro - se não, deixa de ser divertido e passa a ser somente cansativo e escravizante. Bandidos são legais para serem derrotados e mentiras sinceras são interessantes, mas o exagero disso tudo é que cansa. De over, basto eu ;-)

Beijo.
Bem, tambem acho cansativo e realmente nao tenho estomago para isto!!!!

e tens razão a vida fica sem .....
sem......... brilho!
Bridget Jones disse…
Aline,

Eu nunca deixei de ler seu blog e vc sabe disso. Sempre soube.

Mas comentar é que são elas. Sou relapsa. E nem sempre acho que minhas palavrinhas acrescentarão algo em tudo o que vc já diz. Sábia mocinha.

Em todo caso, eu ja te falei 500 vezes o qto os jogos me cansam. Eu, definitivamente sei jogar direitinho, mas como vc mesma disso, é exaustivo demais. E a tensão, a insegurança criada no outro e todas as mazelas dos joguinhos, dão gastrite. Ficadica!

A primeira vez que eu não joguei na minha, as coisa deram tão certo que eu até desconfio de que talvez eu devesse ter feito isso a vida toda.

PS: Eu ja fui devidamente punida por jogar, viu? Antes tivesse eu sido sempre sincera. Mas tô só pensando alto...

PS2: Vai me ler no "Toca uma pra mim, vai?" pq estou carente de comments por lá. (/fazendo a mendiga)
Anna Bueno disse…
Não sei jogar, mas nao sei se isso é qualidade. Sou extremamente sincera no meu agir. Isso me expõe demais, mas decidi nao jogar e espero cruzar com pessoas digans do meu agir limpo, já ia escrever jogo limpo...rsrs até eu me esqueço que nenhum jogo é limpo.
Bjpos
Heber disse…
Jogos são difíceis. Sempre convivemos com eles. Dizem que fazemos, eu denuncio que fazem... Mas ninguém admite. Será que alguém percebe?
D. Marco disse…
Gostei de estar em desacordo nesssa questão. Temos muitos jogos para jogar!
flá disse…
Blogueiro,

Você foi escolhido para participar da promoção NOITE VIP AVENIDA Q!Você e 10 convidados assistem o musical e ganham um jantar especial!

A promoção funcionará da seguinte maneira:
Você poderá comentar sobre o espetáculo e assim participar da promoção. Envie o seu post para o e-mail ga.erik@gmail.com até o dia 28/03 para concorrer ao prêmio.

Iniciamos a votação do melhor post, no site oficial www.avenidaq.com.br. Divulgem o site para os internautas participarem. Todos os blogs participantes serão divulgados pela Avenida Q.

A votação vai até o dia 15/04. O blog vencedor terá direito a levar 10 amigos e mais um acompanhante para assistir o espetáculo nas melhores cadeiras do Teatro. Após o musical, você e todos os seus convidados ganharão um jantar no Gimas.


Contatos para dúvidas:

Daiana Boldrini – daiana@franceschini.com.br
Flávia Ayres- Flavia@franceschini.com.br
Telefone para contato: 5099-6550
D.Marco disse…
Não seria esse silêncio prolongado, um dos jogos dos quais você diz não gostar?
Lind'Aline estou começando a sentir saudade!

Postagens mais visitadas deste blog

Conto adolescente

Feios e Belos

Revoltada, sim. E com razão.