Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2010

"É da onde?"

Imagem
Aqui sempre recebemos várias ligações por engano. Meio que natural, já que 21 é o código de área do Rio e também o início do prefixo do telefone daqui. Mas as perguntas, respostas e reações das pessoas ao saberem que discaram errado são impagáveis.
Em primeiro lugar: CONTE quantos números você discou, pessoa burra que não quer perder um segundo da sua vida prestando atenção nisso. Números de telefone têm, hoje, oito dígitos. Se você disca dez números, os oito primeiros serão o telefone para o qual você, ó imbecil desatento, estará ligando. Óquêi? Beleza. Sigamos. Há quem bata o telefone nas nossas lindas fuças, há quem peça desculpas, há quem peça explicação - "Mas como assim está errado? Se 21 é o DDD, a telefônica deveria tirar, né?" - há quem agradeça e converse (os mais velhos, sempre) e há quem brigue. Sim, brigue comigo e com a menina que atende o telefone o dia todo. Alguns brigam porque está errado o número e não gostam de que os digamos isto, outros porque caiu errado…

Beleza é fundamental

Imagem
Hoje é o #lingerieday no Twitter. Ontem, A Liga falou sobre beleza e o culto incansável à ela. Desta forma, enquanto modelo universal de não-beleza, adepta do culto aos feios e moradora do Rio de Janeiro (oi, sou um paradoxo, um beijo pra você!), resolvi falar aqui sobre o assunto. Porque, vocês sabem, eu entendo do riscado.


O Rio é cruel com a estética das pessoas, se você for daqueles/as que dá valor a isso e chora quando é zoado/a por uma característica física nem tão dentro dos "padrões universais" de beleza. Se for, baby, passe longe daqui. Se você for uma pessoa adulta e bem-resolvida que não mora aqui, venha nos visitar, mesmo que esteja com alguns kilinhos a mais ou tenha orelhas de abano - mas não espere conhecer o amor da sua vida por aqui. Sou radical? Pode ser que sim. Mas quem é negro/a, gordo/a, magrelo/a ou simplesmente não tem um rosto ou um corpo fenomenais, não vai se dar bem "na night" por aqui.

Pessoalmente, esse tipo de coisa me diz tanto quanto …

Spinning the wheel

Quem vem aqui há algum tempo já sabe o quanto eu fui, voltei, fiz, desfiz, subi e desci. Achei que agora, depois dos 30, eu ia ter um pouco de paz... Mas, não. Aparentemente, a minha função é não parar de me mexer. Nunca, pelo visto.
É o trabalho cheio de reviravoltas, a saúde que não fica 100%, indefinições que não me deixam chegar em casa e simplesmente sentar estirada no sofá, com as pernas pro alto e ver tevê. A cabeça gira, roda, vai longe, volta pra perto e não para. Tudo bem que eu tenho 32 anos e não tou querendo passar o resto da vida na mesmice, mas pera lá! Tava bom que a vida fosse um baile, onde a gente senta, come e bebe de vez em quando; mas uma rave louca alucinada cheia de ecstasy?! Não, obrigada. Já passei da idade (emocional, babies, emocional!) e já tive minhas loucuras. Já deu.
Vai ver a vida é assim mesmo (ao menos a minha) e eu vou me fuder de verde e amarelo de maneira cíclica. Mas que cansa pra cacete, isso cansa.

Eu sou péssima

Hoje estou uma mulher cansadérrima, cheia de dor na coluna, de saco cheio da cidade (ainda, ainda) e preciso dormir. Mas precisava vir até aqui fazer uma confissão antes:
Eu sou má amiga. Fico séculos sem ligar pros amigos, não ligo em aniversário porque lembro quando as pessoas já estão dormindo, sumo, desapareço, não mando e-mails e, de repente, reapareço. Sabe o que é melhor? Meus amigos acabam, involuntariamente, sendo selecionados assim.
Porque amizade não é ligar todo dia, falar sempre, cumprir compromisso. Amizade é exatamente o contrário: não ter agenda, aparecer sem hora marcada, ligar e dizer "tô com saudade" uma semana depois do aniversário, ficar oito anos sem ver a pessoa e, quando acontecer, saber que estes anos nada mais foram que um pequeno intervalo. É olhar pra alguém e saber que esta pessoa tá pensando a mesma coisa que você e rirem juntos disso, sem dizer uma palavra; é chorar junto sem precisar dizer porquê. É saber que aquela sua má amiga, que não liga, q…

Até 2014, vamos explodindo por aqui

Imagem
Secretário diz que não há solução imediata para explosões de bueiros
Pelo título da matéria, vocês já conseguem ter uma ideia do absurdo da coisa. Mas o prazo dado na matéria no G1 consegue ser ainda mais assustador:

Sim, minha gente, 2014. Dois mil e quatorze. Antes do início da Copa do Mundo no Brasil, pelo visto, teremos algumas pessoas voando pelos ares e tendo seus membros decepados pelos bueiros cariocas. Mas... pra quê se preocupar, se você anda de carro blindado (ou mesmo um carro público comum, que eu e o resto da população do Rio de Janeiro pagamos), não é mesmo?
A primeira explosão noticiada foi em 29 de junho, que feriu gravemente uma turista. Na última semana, explodiu mais um, em Ipanema. E digo ainda mais: se o descaso é este com bueiros na Zona Sul da cidade, Deus permita que os tais bueiros-rebeldes não comecem a explodir pela Zona Norte, porque aí, minha gente, ninguém vai mesmo ligar pra isso, já que a Zona Norte não aparece na tevê nem é cartão postal da Cidade Marav…

Semana do Cacete: Férias (estreia)

Antes de começar: estreia sem acento é uma agressão quase física a quem sempre foi a melhor aluna de Português da classe.

---------------------------------------

Tirei a semana passada de férias. Tá, uma semana é pouco, mas pra quem estava há um ano e nove meses sem tirar de dentro, pareceu uma excelente ideia (outro acento que caiu e ainda me choca). A primeira providência das férias? Dormir. Pra caralho, à beça, muito mesmo. Passei a segunda-feira inteira de pijama, descabelada, jogada na minha cama e me arrastando ao pc ocasionalmente. Regozijante, eu diria.

A terça-feira foi praticamente a mesma coisa, excelente. Já na quarta, comecei a arrumar as malas para partir ao local de grande diversão, relaxamento e tranquilidade: São Paulo. Não me julguem: eu nunca disse que era normal, pra ninguém - além disso, os amigos e amigas de São Paulo são sempre dignos de grande saudade e causas de momentos inesquecíveis de diversão. Bem, parti às seis da matina, cheguei a tempo de pegar o carro alu…

Um telefonema

Oi, querida, tudo bom? Ah, comigo tudo bem. A verdade é que tudo anda bem, xuxu. O grande problema do trabalho foi deletado, os problema$ menores devem se resolver e consegui até uma semana de férias, veja você. É, tem a Seleção, que saiu da Copa nas quartas num joguinho de merda, mas isso eu já esperava - você não? Ah, 2014 tá chegando, se 2012 não acabar com tudo antes. O Twitter anda uma merda mesmo, um povo muito radical, muito cheio de nhém-nhém-nhém, né? Mas deixa pra lá, a hora em que eu tiver tempo pra coisas mais prosaicas eu deixo de seguir uma meia dúzia e tá tudo certo. Não é assim que a gente faz na vida, deixa de "seguir" quem nos desagrada? Então, tirando família, é assim mesmo... Às vezes a gente deixa de seguir mesmo gostando porque não tem tempo, o que é triste; às vezes a gente segue por educação, por obrigação... Nada fora do normal. Aliás, menina, fora do normal é esse custo de vida aqui, hein? Nossa mãe! Não dá mais pra gente tomar aquele chopp de duro …