Aos mestres de uma vida

A primeira professora da qual me recordo bem é a Tia Amélia, professora do Jardim de Infância. Loira, alta, sempre sorrindo, dando bronca quando precisava e colocando a gente pra dormir depois do recreio. Até hoje passo por ela (a escolinha fica aqui perto) de vez em quando e ainda falo e beijo, como fazia com cinco anos de idade, se tanto.

O mestre que mais me marcou positivamente chama-se Marcelo, era professor de Português, no segundo grau. Era genial e me apresentou vários dos meus escritores favoritos, me criticava duramente quando eu errava na escrita e me fez melhorar nisso. Tinha um humor, um sorriso e uma paciência incríveis, sempre me perguntava, à época, como ele agüentava tanta pergunta idiota e tanto aborrescente junto, falando besteira.

Tive dois outros mestres que me fizeram hoje quem sou: os meus dois professores de inglês, Sales e Michael. Graças a eles sou quem sou hoje profissionalmente, e um tanto como pessoa também. Lembro-me do humor do primeiro e do sarcasmo do segundo, um senhor gaulês, de barba branca, que adorava Pink Floyd, pulava de bungee jump toda vez que saía de férias e me apresentou ao british humor.

A eles e a todos os outros professores e professoras (me incluo nessa), um feliz dia. Hoje e cada um deles, já que nossa missão não é fácil. Beijos carinhosos.

Comentários

Helen disse…
Minha primeira professora se chamava Dona Vera. Que obviamente todo mundo chamava de Dona Fera, pelas costas. Menos eu, ferinha já desde criança, que adorava a sargenta rsrs

Parabéns, de novo. O figura professor é muito marcante, né?

beijo!
[ r ê ] disse…
E eu jamais me esquecerei da Tia Marina, da Professora Suzy, da Marisa Déa, do Teacher Emerson, da Camila Dixo Lief, do Marcelo Marcelino, Fernanda Liberali, Walkyria Montemor, Dino Pretti, Julian Nazario entre outros tão importantes pra minha história de vida!
Aline T. H. disse…
Helen, eu tive uma cujo apelido era "Fera Radical", por causa da novela, hahahaha. Nem preciso dizer que, como boa teacher sádica que sou, amaaaaaaaava essa fessora.

Rê, são tantos bons mestres que foi difícil escolher esses do post! Espero que os nossos, um dia, se lembrem se nós tb!

Beijocas!
Manu disse…
Nossa! Não podia deixar de comentar, já que também tive a felicidade de ter o Marcelo, Salles e Michael como professores. Aliás, Aplicação dominou a Cultura Inglesa naqueles últimos anos, hein? :) O Marcelo com aquele jeito de professor que não quer parecer professor me ensinou quase tudo que sei de Português até hoje. Salles e Michael nem se fala, dois doidos, acho que sem eles a gente ia matar muita aula de inglês naquela época... Aliás esse papo de professores figuraça que tivemos rende... aff!
Aline T. H. disse…
Manu, nós fomos felizardas, muito. E teríamos matado vááárias aulas, se não fossem o Sales e o Michael, rs. E é engraçado, o Marcelo tb é a minha memória mais viva de professor de português (apesar daquela do 3o ano, esqueci o apelido q a gente deu a ela, rs), junto com a Sueli Shibao - essa tb a gente não pode negar que é poderosa.

Viu, rendeu té no comentário. Precisamos marcar uma água mineral SEM GÁS pra colocarmos o papo em dia (as duas de dieta, fazer o quê...)!

Beijão!

Postagens mais visitadas deste blog

Conto adolescente

Feios e Belos

Revoltada, sim. E com razão.