Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2008

Ok, eu conto...

Era uma segunda-feira como têm sido as últimas: cinza. Havia uma entrevista marcada (deve ter sido a 2.874.915ª) pra depois do almoço e mais nada a fazer na rua - os documentos roubados só teriam suas segundas-vias providenciadas hoje - então estava em casa de volta antes das três e meia da tarde.

Por volta das quatro, o telefone toca: DDD 11 e o número do RH que estava cuidando do processo seletivo que mais queria. "Você pode ir ainda hoje até a empresa? Porque você será contratada, mas não diga que te contei, ele quer conversar com você novamente".

Eu disse que essa vaga era minha, e é. So, that's the best news I had =) Conformem-se, porque é provável que eu passe alguns dias sem regularidade nenhuma aqui - mas feliz DEMAIS, garanto.

Eu queria agradecer de coração aos amigos e amigas que torceram por mim - isso faz toda a diferença, viu? Prometo um chopp / suco / vinho com cada um/uma, de verdade, assim que possível (vocês sabem que pretendo viajar um bocado mesmo, né?). …

I'm sorry, Garfield, my master!!!

Eu costumo odiar as segundas-feiras, de acordo com meu mestre Garfield, mas preciso fazer uma exceção à esta e Garfield há de me perdoar!

Amanhã (hoje) eu explico. Aguardem o motivo de tal exceção (sim, O motivo, porque o motivo já era suficiente pra eu estar feliz, oras), é bom. Agora vou pra minha cama dormir, que já comi chocolates o necessário para fazê-lo. Ou não...

"I've tried so... not to give in..."

Hello there...

Sempre adorei essa música. Houve um tempo em que alguém quis ser associado ad eternum à ela, mas não conseguiu - era pretensão demais. Hoje ainda não a associo a ninguém, mas a uma pretensão pra um dia desses qualquer. Who knows...



I miss you, Blink 182

Fiquem com ela pro fim de semana. E aproveitem os seus!

Sim, tou soltinha, até demais. Até segunda passa =D

Thanks a lot, babies

Amigos, amigas, todos,

Agradeço MUITO pela preocupação, pelo carinho, por tudo. De coração. Tou bem, vida que segue e nem preciso perder meu tempo (tenho que economizar pra burocracia vindoura, né?) e minha raiva (que vai ajudar também, eu sei) com uma coisa insignificante daquelas que me roubou. Ele vai ter o dele e eu não preciso me fazer mal pra que isto aconteça. Graças a Deus eu tou bem, com saúde e as coisas que foram, foram. Que venham novas.

Seguindo um conselho - quase uma ordem, rs - vou viajar nesse fim de semana, se a chuva deixar. Sair daqui e tentar me distrair um pouco, já que a burocracia só recomeça na segunda-feira mesmo. E prometo voltar ainda melhor do que já consegui ficar graças a todos vocês =)

E repito aqui a praga lançada: o desgraçado vai ter intoxicação alimentar com meus doces, alergia ao meu perfume, vai se cortar com o papel A4 e sofrer até! =D

Beijo na bunda e até segunda (consegui dizer certo)!

Essa MERDA desse lugar

Eu tenho um marcador aqui que é o cidade maravilhosa. Ele vai ser devidamente retirado a partir de hoje, porque se isso aqui um dia foi uma cidade suportável, deixou de ser há tempos - maravilhosa, então, já não é há séculos - e olha que tem muuuuuito tempo que os escritores falam das merdas existentes aqui. Portanto, exclui-se um marcador. E ainda, exclui-se toda e qualquer possibilidade de eu continuar a viver aqui assim que seja possível me mudar. Quem me conhece sabe que já não quero ficar aqui faz tempo, mesmo antes de ter voltado ano passado.

Quando estiver mais calma, é capaz de eu dizer que é pena, que a cidade é tão linda (e é mesmo, o post de ontem mostra, mesmo com fotos tão mal tiradas) e que os governantes blablablawiskassachê. Pena é o caralho. Aqui, só jogando uma bomba, destruindo tudo e reconstruindo de novo - e não tirem ninguém de dentro da cidade, por favor, porque se sobrar UM 'carioca exxxxperrrto', a merda vai renascer. Me incluam nessa. E incluam aquele …

Do you remember that time?

Nestes dias quando é tudo tão atípico e inexplicável (eu que não me atrevo nem a tentar), resolvi ler o que eu escrevi há um ano atrás. Quatro posts, eu estava verborrágica. E neles temos Roberto Carlos, pré-embarque (gente, já até esqueci o que é isso) e cólica (oi, coincidências infames?), os viajores de sempre e açúcar. Lots of, argh. Mas a música que embalou o açúcar em questão é das melhores, podem confiar.

Hoje não estou muito doce, ando até meio a fim de uva verde mesmo. Ou vinho carmenère, pode ser. Vejamos se até mais tarde isso muda e eu me adoço um pouco - ou sou adoçada, vá saber.

Pessoas num engarrafamento

Imagem
Meus olhos são como janelas de uma pequena casinha, de sapê mesmo, onde mora uma infinidade de pessoas: muitas mulheres e alguns homens. Todas essas pessoas são ávidas por cores e parecem se alimentar delas, bem como das formas diferentes – e, por que não, das tão bem conhecidas? – e dos sons que vêm junto. As pessoas residentes desta casa gostam do que vêem, mas de vez em quando algumas mais sensíveis insistem em mostrar às outras alguns detalhes que, normalmente, passariam imperceptíveis...

Essas pessoas hoje estavam muito ativas, as sensíveis. A cada detalhe diferente que viam na paisagem que acompanhava o engarrafamento sem fim, cutucavam as outras (sérias, tensas e mal humoradas) e as mostravam, apontavam, quase gritavam pra que estas olhassem. E de tanto serem cutucadas, as tais pessoas sérias e mal humoradas acabaram olhando pro lado. E esqueceram, momentaneamente, do engarrafamento, do stress, do mau humor e das preocupações que pareciam tão inesquecíveis. E ficaram tão felizes…

Be right back

Vou ali na caçadora de cabeça e já volto. Wish me luck, babies, I need it, aparently. Mais tarde posto. Se minha barriga deixar e eu conseguir lembrar de alguma das boas idéias que sempre tenho dirigindo... Ah, vou seguir um conselho que me deram, levar um gravador =)

(do jeito que eu tou lesada hoje, capaz de nem achar o botão de rec do bendito)

Tão eu

TPM é um período no qual todas as mulheres ficam muito mais sensíveis, muito mais agressivas e muito mais chatas. É fato, não dá pra negar, eu fico um porre (ou um ainda maior) quando estou 'naqueles dias'. Quando junto a TPM com minha suscetibilidade musical, então... Sai da frente - posso dançar horrores ouvindo minha preferida do Jet ou ficar com a maior cara de bunda ouvindo Lucky Man, isso sendo uma em seguida da outra.

Não sei se todo mundo é assim, se eu sou a louca total (porque louca eu sou mesmo, ao menos no juízo comum das gentes, graças a Deus) ou se pelo menos alguns outros seres humanos nesse mundo tão grande se identificariam com essa minha paixão por música e essa minha facilidade de viajar enquanto as notas musicais entram pelos meus ouvidos sem pedir licença. Mesmo fora da TPM, sou tão sensível à música que chego a ficar meio alheia quando ouço alguma que não conheça e goste ou ainda quando uma das velhas conhecidas vem me fazer uma visita pelo rádio. Chego ao…

Sempre é tempo de aprender...

Minha amiga, sempre tão inteligente e tão esperta, acaba de me ensinar mais uma coisa nova: hoje, dia 22 de setembro, é o Dia do Amante. Pra mim era só o dia do início da primavera, vejam vocês o tamanho da minha inocência...

Deve ser por isso que o MSN tá mais vazio que copo de cachaceiro. YOU PERVERTS! =D

(e se alguém comentar que eu estou em casa, sem nada melhor a fazer do que escrever este post e chamá-los de pervertidos, vai estar certo - mas vai apanhar do mesmo jeito)

Paradoxal

Poucas coisas me assustam ou me dão medo de verdade na vida. Aranhas, por exemplo, me dão PAVOR. Mas uma das coisas que me dão muito medo é a velhice desregulada. Sim, desregulada, e vou explicar o que é e o porquê do medo que sinto.

Envelhecer é o destino de qualquer pessoa que não tenha sua vida abruptamente interrompida por uma fatalidade qualquer, e é inevitável. Não tenho medo de envelhecer normalmente: ficar com os cabelos bem branquinhos (acho que nesta parte me adiantei um bocado, mas enfim), andar devagar, ver a pele perdendo o colágeno, a visão ficar mais dificil, esquecer um pouco de cada coisa e ter várias memórias do que vivi é mais do que normal, é necessário, faz parte da vida. O que me assusta é quando há um paradoxo corrente entre corpo e mente: a pessoa que fica doente mas tem muita lucidez ou o contrário, aqueles cuja mente envelhece rápido demais e o corpo ainda não mostra tantos sinais da idade. Conheço um caso de cada, e ambos me assustam horrores.

Fico pensando em…

Momento diarinho. Porque eu tenho direito.

*Se você veio procurando um novo post ao menos razoável, corra daqui agora mesmo. Isso aqui é meu diário quando bem entendo, e hoje é destes dias*

Eu já tinha ficado triste por não poder ir à Sampa nesse findi (e cheguei tão perto, acho que isso doeu ainda mais) ontem à tarde, mas tudo bem. Depois fiquei mais triste à noite, apesar de coisas ótimas terem ocorrido no meio de tudo (e eu sei do que falo e não interessa a mais ninguém isso, me desculpem). Hoje é sábado e não tou triste, mas ainda estou preocupada, apesar de ter revisto um amigo de muitos anos hoje.

Quero bolo de chocolate pra passar.

*âpdeite: Cunhada linda, que lê o blog, faz aniversário hoje!!! Não sei se ela leu o post, rs, mas mandou muito bolo de chocolate pra mim \o/ Cunha, querida, PARABÉNS! Tudo de melhor pra você sempre. Você sabe que eu te adoro!!

Don't you dare! (ou um post desafiado)

O Português (não o Seu Manel da Padaria, a Língua Portuguesa) é muito difícil em sua forma mais simples: cheio de inflexões, sinônimos e homônimos. Quando falamos de expressões idiomáticas, então, a coisa praticamente pega fogo, pois poucos são hoje os brasileiros que dominam os significados de várias delas. Algumas foram desvirtuadas e modificadas, como a famosa "enfiar o pé na jaca", que em seu original era "enfiar o pé no jacá" (jacá é aquela cestinha que os burros ou cavalos carregam penduradas em seus lombos), e outras mais que não me vêm à mente neste exato momento. Hoje vamos falar de uma dessas expressões (mas com ares que não os de professora, pois ensino Inglês, ok?): duas caras.

***A expressão registrada no Dicionário Prático de Locuções e Expressões Correntes, de Emanuel de Moura Correia e Persília de Melim Teixeira (Papiro Editora), é "ter duas caras" e significa "mudar facilmente de opinião; ser falso, hipócrita".***

Você é duas cara…

E o sol ainda nasce, bem como a lua

Eu leio a paisagem à minha volta enquanto olho um livro muito bom. Dirijo minha vida enquanto penso no meu carro. Como a tevê enquanto vejo meu almoço. Sorrio pra calçada enquanto ando na vizinha. Choro água enquanto bebo minha solidão. Penso na música enquanto canto alguém que ainda não existe.

Se fosse fácil, talvez não fosse tão bom. Se fosse menos difícil, talvez eu sorrise um pouco mais. Se fosse imaginação, talvez tivesse margaridas no caminho, ladeando a estrada. Se fosse real, talvez fosse em tons de cinza e não haveria o céu azul do dia nem a lua cheia à noite. Se fosse forte, talvez não conseguisse viver em sociedade. Se fosse fraca, talvez não tivesse sobrevivido ao que passou.

Cada dia a mais é um dia a menos, cada mês a menos é uma vitória a mais. Cada segundo conta, mas as horas passam como se voassem e não fizessem a menor diferença. Cada lágrima que cai é uma angústia a menos, cada sorriso a menos é uma tristeza a mais. Cada segundo, cada hora, cada dia, mês, ano ou vida…

Só...


Leo Jaime

Composição: Leo Jaime

"Alguém sabe o que é
Ficar em casa só e chapadão
Olhando pela madrugada
O poltergeist da televisão?

De noite no meu carro
É sempre a mesma direção
Será que eu encontro
Alguém que vá matar a minha solidão?

Eu vivo só, só, só
Nem sei se é porque eu quis
Eu vivo só, só, só
E acho até que sou feliz

Alguém sabe o que é?
Não ter há muito tempo uma paixão
Chegar de manhãzinha em casa
E colocar na geladeira o coração?

E quando encontro alguém
Que vai em outra direção
Não sei o que acontece
Nada muda essa situação"

O show foi bárbaro, post amanhã. Por hoje, fico com essa música. E a minha cara de cu.

Me, my hair and my friend

Hoje sairemos: eu, meu cabelo à la Uma Thurman em Pulp Fiction (amei essa, Jurandir, 10pts pra você!) e minha amiga Noca para irmos ao show do Leo. Tá um frio congelante, daqueles que deixam os dedinhos do pé roxos, mas nem te ligo. Mentira, ligo sim - comprei um vestido listrado P&B até o pé, liiiiiindo, e tou louca para usar. De alças, então está fora de questão fazê-lo hoje.

(eu ando falando umas coisas que não são muito minhas aqui no blog. Que coisa.)

Então vou de bota e casacão de couro MA-NO! Se possível, trarei fotos e vídeos para quem goste, prometo. Mas prometo mais ainda me jogar todinha no show. Já que ando me jogando muito, muito pouco. Se é que vocês me entendem.

Eu prometo tentar postar algo útil ainda hoje. Prometo mesmo.

O Dia da Titia

Coloquei foto nova no perfil - tirei a orelha solitária com brinco prateado. Coloquei minha foto de hoje (a minha linda amiga me ensinou a tirar fotos - tá boa essa, tia??) mais cedo. Franjinha de novo! E que tal, povo, tá ruim demais ou só ruim? Ela me disse que tou a cara de mamãe...

O look renovado (e arrumado) teve motivos formais, mas não que não tenha sido excelente pro compromisso de amanhã: show do Leo Jaime no Centro Cultural Veneza. Ganhei dois ingressos da Antena1 Light FM do Rio e vou. Curtir muito, claro, como sempre, porque os shows dele sempre são ótimos!

Fora isso, tudo na mesma: muuuuito frio (e nem é de frio de carioca que eu tou falando), chuvinha fina e vontades várias. Mas isso nem é assunto praqui, viu... Além do mais, o tempo cuida de tudo, por que não cuidará delas?
Dia cheio hoje - o que é sempre muito bom. De vazio, basta meu estômago de dieta.

Quickies - 'cuz Mondays are not that exciting

A semana começou fria e chuvosa. De novo. Mas dessa vez começou menos parada e acho que isso acabou me influenciando positivamente - nem down estou, vejam só. Que Garfield me perdôe por essa heresia tamanha!

-------------------------------------------------

Hoje fiz alguns âpdeites aqui na Casa: a listinha do Eu leio tá atualizada (chequem e descubram, lazy people) e coloquei o selo Dardos que ganhei da minha amiga lá no cantinho dos presentes. Ainda tem mais a ser feito, claro. E aproveito o ânimo de hoje (sendo segunda-feira, coisa raríssima) pra ver se faço tudo.

-------------------------------------------------

Sabe quando você tem a leve suspeita de que alguém está 'tirando uma' com a sua cara? Eu tenho uma memória excelente, e certas coisas voltam na minha cabeça quando menos esperam. E, quando voltam, normalmente vêm com a análise e as devidas associações prontas já... Nessas horas eu até gosto de ter boa memória, viu. Vai ter gente lendo isso e vestindo carapuça, eu sei. M…

Beautiful me

Imagem
Essa menina tem poderes super-especiais - só assim pra transformar euzinha nessa mulher linda aqui embaixo:

Comprarei lentes verdes ontem. Porque é bom variar de vez em quando... E assim começa outra semana - elas passam cada vez mais rápido. Deprimente pensar nisso, eu sei. Mas domingos sempre trazem aquela pontinha de depressão, como aquela gota a mais de adoçante que, ao invés de adoçar, acaba deixando o after taste. E pra não ter mais do que só a ponta de amargor, fico por aqui. Ouvindo Sérgio Mendes & Brazil '66 e mexendo numas coisas, enquanto economizo pra comprar minhas lentes verdes.
I'm drunk and sooooooooooooo easy tro get. Shame on ya,

Post sobre tudo. Ou sobre nada.

24 horas fora de casa ainda não foi o suficiente, mas nem posso reclamar. Matei saudades, matei vontades e matei pessoas dentro de mim. Instinto assassino, mas muito proveitoso e bondoso. Enquanto isso, tudo permanecia no mesmo lugar. Ou então o mundo deu uma volta completa, tá. Ainda bem que ainda teve volta completa, já que tem gente querendo acabar com isso e transformar esse mundão cheio de fome, pobreza, doenças e loucuras pérfidas em um buraco negro. É ruim mas é meu, porra.

Acho que vou ao cinema esse fim de semana ver "Blindness". Quase certo. Nunca fui ao cinema sozinha, mas há uma primeira vez pra tudo na vida da gente, não é? Ah, as primeiras-vezes da vida... Me lembro da primeira vez que usei batom, da primeira vez que usei salto alto e da primeira vez que tirei zero numa prova. Lembro das primeiras-vezes mais importantes também, mas não quero dividí-las com mais ninguém, não - o mundo vai acabar e pelo menos isso vai continuar sendo só meu.

Acabei de dizer à ela q…
Tô viva, gentes. Correndo mais que o Daniel Dantas da PF, mas viva - e muito, MUITO bem, obrigada. Volto mais tarde pra escrever algo que preste. Well, seria a primeira vez na vida =D

Beijo na bunda e té mais tarde.

Sempre, sempre

“What I've got they used to call the blues
Nothin' is really wrong
Feelin' like I don't belong
Walkin' around
Some kind of lonely clown
Rainy Days and Mondays always get me down.”

Carpenters, Rainy Days and Mondays

Ontem tivemos os dois. E me senti mesmo como esse pedacinho da música. Sou uma pessoa de cores e o cinza não me faz bem – pelo que me lembro, só tive uma roupa cinza na minha vida. E, mesmo assim, só usava com o vermelho junto, pra animar.

Falo aqui do cinza-céu-nublado, claro. As variantes mais escuras, como o grafite, não me incomodam tanto – é mais preto do que cinza, deve ser por isso – e nem me fazem tão mal, seja nas roupas ou no céu, já que só temos o grafite à noite. E as noites sempre foram mais fáceis para mim, mesmo quando as estrelas tiram folga.

Já as segundas-feiras... Bem, sou devota de Garfield – o gato, note bem. Viciada em café, adoro lasanha, sarcástica, gosto de dormir e odeio o primeiro dia útil da semana (não idolatro minha pança, deve ser a…
Sempre fui uma anta em Física, mas confesso que a tal da inércia eu entendo. Quanto mais parada fico, mais parada tendo a ficar. Se o tempo (weather, not time) ajudar como hoje, então, capaz de nem respirar pra não dar trabalho.

Sunday Quickies

O fim de semana foi caseiro, mas foi bom. Sinal de velhice? Não. Simplesmente não tenho a menor paciência para ser útil num fim de semana. Prefiro ser companhia festejada e desejada. E já que o fui em casa e via MSN (a conversa de mulheres mais doida e engraçada dos últimos tempos, diga-se de passagem), fico mais feliz do que se tivesse saído pra um lugar que não estava a fim, gastado uma grana que não tinha e sido simplesmente útil no lugar.

----------------------------------------------

Eu descobri que passo uma sensação de segurança total a algumas pessoas. É bom, mas deve ser meio assustador e louco. Pois bem: fico vermelha quando me elogiam e tenho uma autocrítica madrasta (já falei dela aqui). Sou cheia de inseguranças, falhas e não suporto a idéia de magoar alguém. Acontece que normalmente sei no que sou boa e no que sou ruim, e tento melhorar sempre (créditos à madrasta má), além de já ter passado por algumas coisas na vida. Acho que é isso que me mostra segura. Mas a palavra …

A discussão é velha, mas a opinião é minha

“Gente, sou eu a única mulher cafajeste assumida aqui?! Fiquei com vergonha agora...”

A frase em questão veio de um comentário meu no blog O Equilibrador de Pratos, no post de ontem, e desencadeou uma série de conversas, perguntas, questionamentos e observações – e o sexo em si, tanto quanto a postura assumida, acabaram ficando de lado e dando lugar ao questionamento sobre a independência feminina e ao porquê de tantas mulheres seguras, independentes, inteligentes e, pasmem, bonitas, estarem sozinhas.

É claro que a opinião masculina conta muito, e uma das que recebi (do Hannibal, um dos Equilibradores) disse que “belas, interessantes e inteligentes, estão sós por serem inteligentes, querem uma companhia de nível ao lado, entende?”. Confesso que essa opinião, vinda de um cara, chega a surpreender (de maneira muito positiva, claro). E concordo com ela, mas vou além. Digo que mulheres independentes assustam um pouco, não passam muita segurança – afinal de contas, se ela troca lâmpadas sozi…
Sem muita paciência pra escrever agora. Mas voltem ainda hoje (já passa da meia-noite), valerá a visita. Garanto.

Ao telefone

Assim ela já vai
Achar o cara que lhe queira
Como você não quis fazer

Sim , eu sei que ela só vai
Achar alguém pra vida inteira
Como você não quis

- Alô?
- Oi, sou eu. Tudo bem?
- Eu quem?
- Eu, ué. Já não lembra mais da minha voz?
- Ah, oi. (suspira) Bem, e você?
- Você esqueceu rápido a minha voz, hein?
- Não acho. E aí?

Tão fácil perceber
Que a sorte escolheu você
E você cego nem nota

Quando tudo ainda é nada
Quando o dia é madrugada
Você gastou sua cota

- Tudo bem. Novidades? Voltou mesmo a estudar?
- Voltei, sim. Tudo quase na mesma.
- Soube que você voltou a estudar e ainda não tá trabalhando.
- É por aí mesmo.
- Por que tão seca comigo? Algum problema?
- Problema nenhum... E não estou seca, estou normal.
- Então antes você não me tratava normalmente?
- Tratava diferente, talvez. Mas não de forma anormal.
- Preferia antigamente... Você era bem mais simpática e carinhosa, agora tá parecendo uma atendente de telemarketing.
- Se eu falasse 'vou estar voltando a estudar e vou estar trabalhando em breve'…
Todos os músculos do meu corpo (alguns dos quais eu nem desconfiava da existência com possibilidade de uso) resolveram dizer oi. Não tem problema. A partir de ontem, eles vão trabalhar de novo mesmo. Voltei a treinar.

Haja gel de arnica.

Espelhos do mundo lá fora

Às vezes sonho que tenho asas e posso voar o dia todo, por todo lugar, o quanto queira, só pousando para comer e observar as gentes mais de perto, quando me interessam. Noutros dias, tenho um barquinho ultra-moderno, altamente equipado com qualquer coisa que eu precise, e navego por todo tipo de águas: negras, verdes, azuis e amareladas. Todas as vezes, o que há em comum é ser completamente livre - sem amarras, sem cordas, sem anéis numerados e sozinha. Não solitária, mas sozinha, sim.

Am I a kind of loner? Não, definitivamente não sou uma loba solitária, nem quero vir a ser. Não, obrigada. Mas também não sou alguém que depende da companhia alheia pra ser feliz. Momentos felizes, pra mim, vêm de várias coisas muito diferentes: um bom livro, uma bela paisagem, boa companhia, um beijo, uma conquista pessoal ou simplesmente um baita sanduíche que você fez na cozinha de casa, com tudo o que havia na geladeira e ficou o mais delicioso de todos, mesmo que seja pela fome negra que você estava…